É só um brinquedinho!?!

Padrão
...

Foram poucos os brinquedos que eu mesma comprei para o meu filho porque hoje, com a cultura de consumo desenfreado, as crianças ganham muita coisa. Ganham presente quando nascem , quando fazem aniversario, no dia das crianças, quando vão ao supermercado, quando vão à farmácia, quando vão à padaria, quando cortam o cabelo, quando vão ao Mac Donalds, quando vão ao Habib’s, quando vão ao Girafas, quando vão às festinhas de aniversário de outras crianças, quando cai o dente, quando nasce o dente, quando tomam vacina, quando ficam doentes, quando o irmão nasce, quando vão ao dentista… E por aí vai. Na Páscoa já não vale ganhar ovo de chocolate (e quem liga pra chocolate?) sem brinquedo dentro.  Tem muito brinquedo na minha casa, muito. Quando eu tiro alguns do quarto do meu filho para vender, doar ou trocar ele nem percebe.

A maior parte dos poucos brinquedos que sobraram pra eu comprar é do tipo que ninguém daria de presente a ele : uma mini vassoura e um mini rodo, um bebezinho, uma banheirinha, uma pia com louças para lavar e um forninho microondas com comidinhas para esquentar. Queria comprar muitos outros “brinquedos de menina” tais como fogãozinho com panelinhas e comidinhas, carrinho de bebê que ele adora empurrar e bercinho pra ele colocar o bebê que ele já tem pra dormir, mas realmente estou com pouco espaço em casa para tanto brinquedo e nem acho que criança precise mesmo de tanto brinquedo assim.

Cada um desses brinquedos tem uma história pra contar das fases pelas quais o meu filho foi passando. A vassourinha e o rodinho foram comprados quando ele já conseguia ficar de pé e segurar a vassoura de casa pra imitar os adultos limpando a casa. A pia foi quando ele aprendeu a colocar a cadeira na beira da bancada da cozinha pra subir e fazer bagunça com água. O microondas foi quando ele começou a pedir para abrir e fechar a porta  e apertar os botões do forno de verdade na hora do preparo da mamadeira. E o bebezinho foi quando engravidei pela segunda vez e queria que ele fosse se acostumando com a idéia de ter um irmão ou irmã.

Todos os “brinquedos de menina” foram comprados e entregues na maior naturalidade, com a mesma expectativa de que ele gostasse.  Foi com a boneca como foi com o laptop, com a caixa de ferramentas e com o molho de chaves de carro com alarme igualzinho ao da mamãe. A maior parte dos outros brinquedos que tem no quarto dele não conta história nenhuma. Tem uns que ele gosta mais, tem os que ele não brinca nunca. Tem os de todo dia, tem também os barulhentos com aquela musiquinha irritante e que não estimulam nada. Ele brinca bastante de bibi, embora não tenha sido incentivado a gostar mais de carrinho que de blocos de encaixar ou fantoches. Também gosta muito de bichos e trens. Meu filho adora o carrinho de supermercado cheio de comprinhas que pedi para o meu pai dar de presente no Natal, desse ele não enjoa nunca, é incrível… E também adora a cozinhinha que tem no quarto do fundo da casa da avó.

Acho que não preciso explicar quão horrorizadas as pessoas ficam ao verem o Rafael brincando com essas “coisas de menina”, o quanto pode ser difícil ter de responder serenamente a comentários absolutamente irrefletidos.  Algumas vezes é impossível ser tolerante tamanha a brutalidade dos julgamentos, veneno puro.  

“Não, não estou matando as saudades da tenra idade nem curando meus traumas de infância às custas da reputação do meu filho. Não, meu filho não está ficando maníaco por limpeza e gostando de vassoura e pia de tanto me ver limpar. Não, eu não acho que menino que brinca de boneca “vira” gay. Alias pra falar a verdade eu nem sei se gay “vira” ou é. Não, eu não tenho medo que meu filho “vire “ gay. Olha e daí, se meu filho for ou “virar” ou resolver ser gay? Isso não me incomoda, eu não me preocupo com isso, eu nem penso nisso. Isso é escolha dele.  Vamos mudar de assunto? Ah peloamordeDeus ! Meu filho tem dois anos e eu só quero que ele possa brincar do que quiser. Filho, pode brincar com a bola do jeito que você tiver vontade. Não, não precisa chutar. Não, você não é retardado porque não sai chutando uma bola quando a vê, afinal é muito mais lógico para um bebê tocar a bola com a mão. Querida, meu filho pode ser jogador de volley, basquete, handball, você nunca pensou que há muito mais esportes que se praticam com mão na bola do que com bola no pé???? Ah, você nunca tinha pensado nisso? Ah, você não pensa? Filho, vamos embora do parquinho? O sol está muito quente e todos essas pessoas que ficam à sua volta tentando te obrigar a chutar  bola não passam de papagaios a repetir as mesma coisas sempre e sempre. Sabe o que é dona Cocota? Adoro pensar que meu filho vai ser um homem e tanto. Do tipo que se optar por ter filhos vai ser um baita de um pai que vai levar o maior jeito com criança. Que não vai ter que aprender certas coisas como ninar um bebê na marra e de uma hora pra outra. Pode ser que ele resolva também ser o tio mais legal do mundo. Meu filho não vai ser o machão clássico que diz que mulher esquenta a barriga na pia e esfria no tanque, não vai não. E se ele resolver casar Dona Cocota, vai dividir as tarefas com a mulher, tenho certeza. Se resolver não casar, saberá cuidar de si mesmo ou saberá respeitar quem fizer o trabalho domestico, seja quem for. Sabe Cocota, é por isso que meu filho brinca de boneca, de fogão, de panelinha. Não é pra virar gay, é pra virar Homem.”

Já começo a achar graça quando o assunto surge e inverto a posição do palhaço da vez rindo do que ouço e respondendo com ares de quem realmente sabe o que está fazendo, porque realmente sei.

Impossível permanecer indiferente, isenta, calada a essas oportunidades diárias de mostrar no parque, no comércio, no elevador ou onde quer que seja o quanto a formação que se propicia a uma criança pode e deve ser refletida, pensada, construída, reinventada, inclusive nas pequenas e mais importantes coisas na vida de uma criança.

Licença Creative Commons
O trabalho É só um brinquedinho!?! de Elba Oliveira foi licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição – Uso Não Comercial – Partilha nos Mesmos Termos 3.0 Não Adaptada.

Este texto possui uma licença Creative Commons BY-NC-SA 3.0. Você pode copiar e redistribuir este texto na rede. Porém, pedimos que o nome da autora e o link para o post original sejam informados claramente. Disseminar informação na internet também significa informar a seus leitores quem a produziu.

 

Sobre Elba

Eu gosto de subir MONTANHAS, de presenciar MiLAGRES e de chorar de ALEGRIA. Gosto de pequenas SURPRESAS e preciso de P-A-U-S-A-S. DETESTO falar sobre AMENIDADES e ter que respeitar O TEMPO DAS COISAS. Defendo o PROTAGONISMO e a AUTENTICIDADE em todos os momentos como genuínas formas de MUDAR O MUNDO, que pra mim se divide entre as PESSOAS POR QUEM LUTO E AS PESSOAS POR QUEM MORRERIA. Procuro VIVER tudo até o LIMITE, quero viver 100 ANOS. Sou SOCIÓLOGA. Sou NETA, FILHA, SOBRINHA, IRMÃ, ENTEADA, PRIMA, ESPOSA, TIA e MÃE, nessa ORDEM. Estou APRENDENDO A ESCREVER como aos cinco anos. Sou GRATA e ESPERO O MELHOR que a vida possa me dar DIARIAMENTE.

»

      • É sempre complicado. Quando dou os mesmos brinquedos “femininos” para aminha filha, sou chamada de machista!
        O importante é que brinquedos são brinquedos. Não usam calcinha e nem cuequinha.

  1. Parabéns pelo texto. É a sua cara e, como vc, “bate na cara” .

    Espero que vc esteja montando um portifólio com os textos.

  2. Aê prima, é isso aí!

    Muito bom seu texto e concordo plenamente!
    Sempre tentaram fazer com que eu gostasse de futebol, nunca gostei! Acho que o mais perto que cheguei de gostar de um esporte com bola foi o tênis de mesa! E atualmente até que pratico alguns vários esportes (sem bola) rs.

    No passado, fui sacaneado pelas coisas que hoje são o diferencial, e o que já me fez ficar down, hoje me faz rir.
    Quanto ao sexismo, também concordo quanto ao ser, virar, escolher ser… Não dá pra saber, e não adianta tentar conduzir ou outorgar algo.

    Um ótimo texto pra começar o dia!

    • Gatinho,
      Ainda bem que nao te convenceram a chutar bola pois seu lugar não é na grama, né? É nas alturas!!!E noooossa, como esquecemos dos outros esportes…!

  3. Oi Elba!!!! Adorei o seu post. Inclusive assino embaixo. Eu ainda não sou mãe e nem sei se um dia serei.Mas certamente vou proceder como você se tiver um menino. Sei muito bem o que é ter uma educação sexista. Quando criança, meu pai proibiu o meu irmão de brincar de casinha comigo, porque isso era coisa de mulherzinha. E hoje sofro, também, com as consequências da educação sexista que os pais do meu namorido lhe deu. Ele não consegue ter iniciativa própria para ajudar na arrumação da casa. É um saco ter de ficar falando o tempo todo que ele tem de ajudar… Provavelmente se os pais o tivessem ensinado que ele deveria ajudar na casa isso não estaria acontecendo.

    • Fabiana, um saco mesmo…estou preparando um textinho otimo pra voce mostrar pro seu namorido, aguarde!!! Mas as coisas estão melhorando…nossas netas vão ser muito felizes!!!

  4. Adorei! Minha enteada sempre me fala que gosta de carros, acho que justamente porque ela não brinca com eles! Vivo num mundo de bonecas, com duas meninas em casa. Tem um post aqui chamado “Criando meninas” que fala um pouco do que eu penso sobre isso. Eu não quero por brincos na Helena…e ouço todo dia alguém me dizer merda sobre isso. Parabéns, Elba!

  5. Mto bom, Elba! Minha vontade de ser mãe se fundamenta na responsabilidade de formar um ser humano decente para o mundo, não naquela irrefletida, inquestionada e reproduzida idéia de que toda mulher se realiza na maternidade apenas pela maternidade. Hoje eu vejo que mtas mães se tornaram mães para mostrar pros outros que são mães. E não aproveitam a oportunidade incrível de aprendizado e evolução que é se questionar sobre os papéis prontos que lhes impuseram e aos seus filhos. Beijão!

    • É isso mesmo Ju. tem mae que nem ve o filho…estao tao ocupadas que nem tchum, entao pra que ter filho????? Nao to falando das que tem que se matar de trabalhar nao. Porque essas nao escolhem nada. To ate escrevendo sobre isso. To falando de crianças que ficam o tempo todo com babás…inclusive nos finais de semana quando os pais ficam na beira da churrasqueira ou da piscina. Na boa…pra que ter filho???? Pra constar…?

  6. Adorei o texto, Elba. É realmente verdade que as crianças tem tantos brinquedos que nem sabem o que tem, além de serem poucos os que contam “histórias”. Aqui em casa minha filha nem pede mais os brinquedos do “Mac Lanche Feliz” (e demais) pois já conseguimos fazer ela perceber que ela não brinca com eles, deixando-os esquecidos na caixa ou na prateleira…. Parabéns, Elba!

    • É…muito perigoso esse negocio de brinde o tempo todo, as crianças parecem achar que tem que ganhar alguma coisa sempre…coitadas, olha o que estamos fazendo com elas! Legal que voces conseguiram conscientizar a bambina, tem muita coisa que da pra explicar na boa pras crianças, elas entendem e acabam transferindo a liçao para outras coisas depois tambem, mas a gente subestima demais, tem preguiça de conversar…muito mais facil dar o brinde. Lamentavel.

    • Oi Dani,
      Prazer em conhece-la e obrigada pelo retorno! :)
      Pode publicar sim, voce coloca o link do nosso blog junto do texto e meu nome como autora, por favor? Me manda e-mail quando estiver publicado, ok? Vou conhecer com calma o blog e tambem te escrevo!!!
      Muito Obrigada pela oportunidade de aparecer no recanto das maes blogueiras entao e vamos nos falando.
      beijos
      Elba

    • Sabe o que eu tambem nao gosto Dani? Daquelas fotos de menino com utensilios de cozinha, mas com aquele chapeu de chef de cozinha…afinal homem na cozinha só se for virar chef…jamais pra “fazer janta”. Eita discurso…

  7. Elba queridaaaaaaaaa, sua participação la no Recanto foi maraaaaaaaaaaaaa
    obrigadãooo

    bjusssssssss
    com certeza logo logo volto para pedir sua autorização para divulgar mais um post seu…
    Dani garcia

  8. Ola Elba! Achei muito lúcidas suas opiniões. Considero excelentes também os brinquedos escolhidos para presentear seu filho. Principalmente do ponto de vista psicomotor : manejar vassoura e rodo desenvolvem habilidades essenciais de coordenação, força e precisão. Por isso, é tão importante diversificar as experiências sensório-motoras das crianças. Quanto mais oportunidades, mais conexões são geradasno cérebro; e quanto mais conexões, mais hábil se tornará o indivíduo.

    Que pena existirem crianças que têm sua curiosidade e desejo de aprender tolidos, em nome de preconceitos injustificados. Mais tarde, as habilidades não desenvolvidas certemente lhes farão falta.

    Ah, obrigada pela visita lá no meu cantinho.

    Abraços

    Ana Júlia

  9. Elba, mais uma vez ” Parabéns” , essa coisa de coisa de menino e coisa de menina já era faz tempo. Afinal, temos até uma “Presidente” mulher. Esse tipo de preconceito é péssimo na nossa sociedade que por mais que já tenha mudado muito , ainda existem homem matando suas ex companheiras e companheiras , mulheres desempenhando as mesmas funções que os homens e ainda recebendo salarios mais baixos. Na verdade tenho duas meninas e a caçula ama jogar futebol, mas nem por isso deixa de passar horas no banheiro se maquiando e fazendo chapinha nos cabelos ( coisas demeninas) e tá cheia de paqueras no colegio. Foi por ter uma mãe como você que hoje tenho um marido maravilhoooooso !!! Limpa meu fogão melhor que eu mesma, me ajuda com as tarefas da casa como lavar o banheiro e passar as proprias camisas quando eu tenho muitas traduções para fazer.
    Além de todos esses predicados cozinha bem e faz sobremesas de dar inveja . Isso faz com que sejamos parceiros de verdade,e que ele valorize o trabalho doméstico coisa que poucos homens dão valor. Temos mesmo que mudar esse comportamento machista antiquado.Beijos Amiga!!!

  10. Megy querida,
    Tenho certeza que voce vai adorar um post que estou preparando com todo cuidado sobre mulher, feminismo, trabalho domestico, mercado de trabalho, opressao domestica. Aguarde…

  11. oi, querida, tudo bem?
    Estou retribuindo sua visita, também adorei o seu blog.
    Que bom que poderá compartilhar as minhas matérias, espero que ajudem muitas mamães..rs

    Um beijo, parabéns pelo blog,

    Lígia Menezes (jornalista)

  12. Adorei querida! Por aqui enfrento o mesmo dilema…ela só ganha boneca e pior, loira. As pessoas estranham os brinquedos “de menino” que nós damos. Outro dia ela disse que o chinelo do Batman dela era “de menino”. É dificil , mas pelo menos fazemos um esforço de criar nossos filhos com a cabeça mais aberta,né?

  13. Ai Carla, gostaria de ver um estudo sobre consumo de agua oxigenada por mulheres em saloes de beleza relacionado ao numero de bonecas loiras que essas mulheres tinham quando eram pequenas.

  14. Olá Querida Elba!!!
    Estou amando seus textos, você está se saindo uma mãe e tanto!!!
    Que maravilhosa essa viagem pelo mundo da maternidade e sem fofurice ou cuti, cuti…rsrsrsrs
    Muitos beijos e muito amor
    Margarida

  15. Muito chato isso de rotular a brincadeira das crianças por sexo.
    Eu lembro de sempre me interessar pelos brinquedos e brincadeiras de menino, tudo tão mais livre e divertido que ficar dentro de casa brincando de boneca. A Alice tem carrinho, caminhão, bola. Tem boneca e panelinha também, e não seria diferente se fosse menino.
    Isso do consumo desenfreado também é complicado. Aqui em casa não trocamos presente no dia dos pais, mães, nem dias das crianças, mas é difícil segurar o resto da família que fica louca pra presenteá-la, já que é a única criança.

  16. Pingback: É só um brinquedinho!?! | Conversas ao Meio-Dia

  17. Pingback: É só um Brinquedinho!?! (por Elba Oliveira) - No Quintal

  18. Pingback: È só um brinquedinho?!?! | Instalação de Teste do WordPress

Comentar

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s